Os Alemães no Sul do Brasil


Os primeiros imigrantes a chegar ao Brasil depois dos portugueses foram os alemães. Seu fluxo migratório foi estabelecido ainda no final do Primeiro Reinado, com o objetivo de ocupar terras ameaçadas pelos vizinhos espanhóis e de equilibrar a economia sulina, dominada pelos grandes latifúndios e pela pecuária extensiva. A primeira colônia alemã foi São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, fundada em 1824 e logo seguida por São Pedro de Alcântara, em Santa Catarina (1828) e Rio Negro, no Paraná, em 1829. Apesar da omissão do Governo Imperial, que cumpriu poucas das promessas feitas aos imigrantes, os alemães arrancaram seu sustento das terras geralmente pouco férteis a eles destinadas, uniram-se em grupos fechados para preservar a cultura e as tradições de seu país de origem, e introduziram na região culturas agrícolas até então desconhecidas. As vilas por eles fundadas transformaram-se em algumas das cidades mais progressistas do Sul do Brasil.
 
  No Parque da Oktoberfest, em Blumenau, as construções imitam o estilo das aldeias alemãs do século passado e atraem milhares de visitantes. - Foto: Catarina Rüdiger

Joinville e Blumenau, em Santa Catarina, são exemplos deste sucesso. Fundadas respectivamente em 1850 e 1851, passaram de pequenas colônias agrícolas a importantes pólos econômicos, e ao preservar suas características germânicas na arquitetura, na culinária, na tradição festeira viraram também requisitados destinos turísticos. Com 500 mil habitantes, Joinville é hoje a maior cidade de Santa Catarina e importante centro industrial, referencial de uma região que engloba cidades como Jaraguá do Sul, Rio Negrinho, São Vento do Sul, Corupá e Campo Alegre. Já Blumenau é a rainha do Vale do Itajaí, sede da Oktoberfest o principal evento popular do país depois do carnaval e grande exportador de têxteis. Maior centro financeiro de Santa Catarina, é também o principal pólo turístico de uma região conhecida como Vale Europeu, formada por cidades de forte influência germânica, como Gaspar, Brusque e Pomerode.

Nova Petrópolis abriga uma réplica da primeira igreja construída na serra gaúcha segundo o estilo alemão
Foto: Iolita Cunha
Casa do Imigrante - pomerode, SC.
Foto: Catarina Rüdiger

O Rio Grande do Sul recebeu cerca de 75 mil imigrantes alemães entre 1824 (quando os primeiros 39 colonos fundaram São Leopoldo) e 1939.
Durante este tempo, foram criadas 142 colônias, distribuídas principalmente no Vale do Rio dos Sinos, próximo a Porto Alegre, no Planalto Central e no Sul do Estado. Estes pioneiros enfrentaram dificuldades enormes com o descaso das autoridades, a improdutividade das terras a eles destinadas e a falta de equipamentos, mas conseguiram prosperar apoiados na tenacidade típica da raça, na união e no trabalho.
Cinco anos depois, quando 5.350 colonos já haviam desembarcado na região, a situação estava sob controle. Os colonos haviam subjugado a natureza inóspita, viviam bem com o que plantavam e habitavam casas sólidas e confortáveis. São Leopoldo abrigava uma fábrica de azeite, uma de sabão e sete pequenos curtumes, embriões da indústria calçadista que é hoje a principal atividade da cidade. 

Grupos folclóricos alemães como este, de São Bento do Sul, revivem a epopéia dos imigrantes que colonizaram o norte de Santa Catarina a partir da Colônia Dona Francisca, atual Joinville. - Foto: Iolita Cunha  Banda Alemã em Blumenau, SC.
Imagens capturadas do "Vídeo Coleção Caras: 
Brasil Cultural Nosso País: Sul"

As levas de imigrantes que chegaram depois da Revolução Farroupilha, em 1846, fundaram as colônias de Feliz, Mundo Novo, Bom Princípio e Santa Maria. Outros se espalharam pelos vales dos rios Taquari, Pardo e Pardinho, dando origem a cidades como Estrela, Lageado, Santa Cruz do Sul, Venâncio Aires e Candelária. Os alemães ocuparam também as margens da Lagoa dos Patos (fundando São Lourenço do Sul), antes de subir a serra e invadir o interior no início do século XX, criando Ijuí, Santa Rosa, Panambi e Cerro Largo, entre outras. Finalmente, os alemães de quarta e quinta gerações atravessaram o Rio Uruguai e migraram para o oeste de Santa Catarina e Paraná.

Imagens capturadas do "Vídeo Coleção Caras:  Brasil Cultural Nosso País: Sul"

No Paraná, a imigração germânica começou com a fundação da Colônia de Rio Negro, em 1829. Em 1878, alemães de origem russa vindos da região do Rio Volga, estabeleceram-se nos Campos Gerais, perto das atuais cidades de Ponta Grossa e Lapa. Neste século, colonos vindos de Santa Catarina fundaram a Colônia de Witmarsum, no município de Palmeira, suábios da região do Rio Danúbio criaram Entre Rios, em Guarapuava, e descendentes de imigrantes ocuparam a região de Cambé e Rolândia, no Norte do estado. A capital, Curitiba, também abriga numerosa comunidade originária dos colonos alemães que atravessaram o Atlântico para participar com seu trabalho da formação do povo singular que hoje habita a Região Sul do Brasil.
 

Texto de Rogério Monteiro


Um Brasil Diferente / Rogério Monteiro in Revista Mares do Sul, N.º 31, 45-47, Santa Catarina: Editora Mares do Sul.,abril/maio de 2000.

 
Volta para os Tipos Regionais
Volta ao Topo Vai para os Judeus